Ícone do site Blog da Arquitetura

Vencedor do “Nobel de Arquitetura” libera projetos arquitetônicos de graça

Casas populares e questões referentes à habitação popular e de políticas públicas na área são alguns dos temas levantados pelo arquiteto chileno Alejandro Aravena, vencedor do Prêmio Pritzker de 2016, considerado o “Oscar da Arquitetura”. E no último dia 5 de abril, ao se reunir em Nova York para o debate com outros ganhadores de anos anteriores do prêmio para o debate sobre os desafios e o papel da arquitetura na sociedade contemporânea, Aravena divulgou uma novidade de relevância quando o assunto é moradia popular: a liberação de quatro de seus projetos para o uso, e de graça.

Imagem: Elemental/Divulgação

O arquiteto chileno busca, com essa atitude, chamar a atenção dos governantes para o aumento dos investimentos em casas populares, e também da população, pois o tema exige um acompanhamento constante por toda a sociedade. Aravena já declarou que “há inúmeras batalhas que nós precisamos vencer e muitas fronteiras que necessitamos expandir com o objetivo de melhorar a qualidade da área da construção e, consequentemente, da qualidade de vida das pessoas”.

Imagem: Ramiro Ramirez

O anúncio de que seu escritório, o Elemental, vai promover a divulgação de quatro dos projetos do arquiteto chileno faz parte do objetivo de tornar ainda mais colaborativo e coletivo o trabalho voltado à habitação. Foram liberados quatro projetos de Aravena – que é o diretor da Bienal de Arquitetura de Veneza deste ano – e em diferentes localidades. O Quinta Monroy, o Lo Barnechea e Villa Verde, no Chile, e o Monterrey, no México.

Entre as características das moradias estão o baixo custo, localização estratégica e construção harmoniosa em dimensões, com o objetivo de uma melhor performance e utilização das casas. Mas é  preciso sermos cuidadosos com a divulgação, como salienta Elisabete França, doutora em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, em São Paulo, que em entrevista ao Nexo Jornal, em que levantou a questão de que a arquitetura e a habitação social devem levar em consideração as características de cada país e cidade.

Imagem: Cristian Martinez

O fato de um projeto atingir os objetivos no Chile não significa que os mesmos resultados serão alcançados no Brasil, por exemplo. O contexto social e até mesmo características do ambiente de cada local são diferentes, o que influencia no sucesso do projeto. Mas ainda assim a atitude representa um chamativo para a questão da moradia, fundamental em qualquer sociedade, apesar das diferenças entre os países.

Para o download dos projetos, basta acessar o site do escritório Elemental (no link Download Here 4 Projects’ Files).

Referências: Nexo Jornal, Elemental, Sustainable Development Goals Fund, ArchDaily

Sair da versão mobile