Ícone do site Blog da Arquitetura

Qual a história por trás da arquitetura icônica das casas de São Francisco?

Imagine você voltar para a casa, depois de um longo e cansativo dia de trabalho, e se deparar com dezenas ou centenas de turistas, de diferentes localidades ou nacionalidades, tirando fotos. Estranho, não é mesmo? Mas é exatamente isso que acontece com algumas pessoas que residem nas sete casas existentes entre os números 710 e 722 da Rua Steiner, em frente ao Parque Alamo, em São Francisco. É que elas moram nas icônicas Painted Ladies – também conhecidas como Postcard Row, um dos pontos turísticos mais requisitados pelos viajantes, que divide com a Ponte Golden Gate o título de símbolo da cidade.


Veja Também: Como as tragédias em Chicago e São Francisco ajudaram a moldar a arquitetura dessas cidades


(imagem extraída de Wikimedia)

+ A fama das Painted Ladies

Quem faz o exercício de fechar os olhos e pensar na cidade de São Francisco, nos Estados Unidos, logo tem em mente a fileira arrumada e colorida das casas que ficam em frente ao Parque Alamo. Por que isso? Talvez pelo fato de que elas já apareceram em mais de 70 longas metragens. Também foram destaque em diversas novelas e seriados. Elas estão, por exemplo, na apertura de “Full House” – no Brasil chamado de “Três é Demais”; uma produção televisiva dos anos 80/90, de volta, agora, na plataforma Netflix. Portanto, é impossível não fazer esta associação de imagens.

+ Sua localização

As Painted Ladies estão localizadas em um dos bairros mais famosos de São Francisco, o Alamo Square. Apesar do turismo ininterrupto, a região é muito tranquila e convidativa, própria para a realização de atividades físicas ao ar livre, passeios com a família e com os animais de estimação. Isso porque o bairro é praticamente todo residencial, silencioso e seguro. Do alto do gramado do parque local pode-se ter uma boa visão de grande parte da cidade.

(imagem extraída de Google Maps)
(imagem extraída de Google Maps)

+ Sua história

Após o fim da corrida do ouro no território americano, no ano de 1849, a população de São Francisco passou de 800 para 25 mil pessoas. O boom imobiliário, resultante do aumento pela procura por alojamentos, fez surgir várias construções novas, principalmente as vitorianas. Nas décadas de 1860 e 1870, o estilo predominante era o “Queen Anne”. Nesse período, as casas eram pintadas de branco para disfarçar a estrutura em madeira de sequoia vermelha. Já nas décadas seguintes, após a morte da Rainha Vitória, do Reino Unido, houve uma mudança das arquiteturas para o estilo eduardiano.

(imagem extraída de Pinterest)
(imagem extraída de Blog Viagem Julho 2012)

As sete casas da Rua Steiner foram construídas entre os anos de 1892 e 1896, por Matthew Kavanaugh. Elas são um dos poucos exemplares que resistiram ao terrível terremoto e o grande incêndio, que destruiu parte significativa da cidade, no ano de 1906. Depois disso, elas ficaram conhecidas por Painted Ladies. Só que, na verdade, este termo foi usado pela primeira vez para casas e edifícios vitorianos e eduardianos pelos escritores Elizabeth Pomada e Michael Larsen em seu livro, de 1978. Entre os anos de 1849 e 1915 cerca de 48 mil casas como essas foram construídas somente em São Francisco. E em pouco tempo, elas se tornaram comuns em todo o estado da Califórnia.

+  A arquitetura das Painted Ladies

O que torna as casas frente ao parque Alamo tão famosas são, além da sua localização privilegiada, seus detalhes arquitetônicos. Até o período entre guerras, a maioria das casas mais antigas de São Francisco eram pintadas de branco ou cinza, como os navios de batalha. Depois disso, muitas delas foram demolidas ou tiveram seus detalhes decorativos retirados, descaracterizando o estilo original – uma lástima. A ideia de pintar as remanescentes em cores mais intensas partiu do artista Butch Kardum, em 1963. Muitos começaram, então, a copiá-lo, adotando cores ainda mais fortes para suas próprias residências.

“(…) vermelho, amarelo, chocolate, laranja, tudo o que é alto está na moda (…) se as histórias superiores não são de vermelho ou azul (…) eles são pintados em painéis grosseiros de amarelo e marrom (…) “ – crítico de jornal, sobre as Painted Ladies, em 1885.

(imagens extraídas de Carpe Mundi e Dunn Edwards)
(imagem extraída de My Dear World)

Na década de 1970, o “movimento colorista” já havia transformado bairros inteiros de diversas cidades californianas. Na Rua Steiner, em São Francisco, pode-se ver, ainda hoje, casas pintadas em três ou mais cores vivas e chamativas. A ideia não é simplesmente dar um visual mais moderno às estruturas mais antigas, mas ressaltar seus belíssimos ornamentos. Os detalhes arquitetônicos que mais chamam a atenção, em todas as sete fachadas, são: a assimetria dos volumes; os frontões dominantes; as janelas bay windows; as varandas cobrindo as entradas principais; as bases texturizadas, principalmente na parte das escadas; as abas de madeira modeladas; os vidros seccionados; e a presença de vitrais, colunas e balaustradas clássicas.

(imagem extraída de Necessidade Básica)

+ Por dentro das Painted Ladies

A maior e mais antiga casa Painted Lady no quarteirão frente ao Parque Alamo fica na esquina. Ela pertenceu ao arquiteto Matthew Kavanaugh, que também projetou as outras seis casas do conjunto. Apesar de espaçosas para os padrões atuais, elas não são consideradas mansões. Por serem de dois séculos atrás, apresentam, em alguns pontos, problemas de conservação, como é de se esperar. Aquelas que não foram ainda reformadas, têm aquecedores, chuveiros, louças e esquadrias muito antigas. Mesmo assim, todas são muito lindas, não é mesmo?

Se você quer saber como é viver dentro de uma das icônicas casas Paited Ladies da Rua Steiner, no Alamo Square, assista ao vídeo a seguir!

FontesDunned Edwards PaintsBlog Cultura Pop na WebWikipedia.


Leia Também:

Como as tragédias em Chicago e São Francisco ajudaram a moldar a arquitetura dessas cidades

Fachadas coloridas que encantam!

Sair da versão mobile