Ícone do site Blog da Arquitetura

Fotógrafa revisita arquitetura dos Jogos Olímpicos de Moscou

A apenas um mês da realização dos Jogos Olímpicos de Verão do Rio de Janeiro, muitos questionam o que será das obras milionárias construídas ou reformadas especialmente para a ocasião do maior evento esportivo do mundo.

Enquanto dúvidas ainda pairam sobre as nossas cabeças, embora o consenso geral seja mais negativo do que gostaríamos, que tal revisitar a arquitetura de um dos Jogos Olímpicos mais emblemáticos da história? Estamos falando daquele que foi realizado em 1980, em Moscou, na então União Soviética, durante o auge da Guerra Fria.

A fotojornalista russa Anastasia Tsayder resolveu visitar e documentar os locais que foram palco para as olimpíadas daquele ano. Na época, o governo russo gastou o equivalente US$ 9 bilhões, que na moeda corrente seria algo em torno de US$ 26 bilhões. Sob o governo comunista, o país queria mostrar ao mundo o seu poder por meio de edificações que parecem ter saído de filmes de ficção científica.

Por causa do contexto geopolítico, 65 países, liderados pelos Estados Unidos, boicotaram a competição. A justificativa foi uma espécie de retaliação contra a invasão soviética ao Afeganistão. Anastasia justifica a série fotográfica como uma maneira de “contar uma história sobre a esperança para um futuro utópico, envolvido nessa arquitetura”, mostrando que as expectativas acabaram ficando muito longe da realidade.

Exterior do Complexo Equestre Bitza, um dos maiores da Europa: o espaço continua sendo usado para a realização de competições equestres (Foto: Anastasia Tsayder)

 

Vista interna do Complexo Equestre Bitza, em Moscou

 

Exterior do Complexo Esportivo de Druzhba, que sediou as disputas de vôlei e atualmente recebe campeonatos de tênis e apresentações musicais (Foto: Anastasia Tsayder)

 

Arena para esportes aquáticos, como canoagem: o edifício acabou caindo em desuso após os Jogos Olímpicos de Moscou (Foto: Anastasia Tsayder)

 

Interior do salão menor de coreografia do Complexo Esportivo de Moscou, que continua sendo um dos maiores da Europa (Foto: Anastasia Tsayder)

 

Interior do salão de ginástica olímpica do Complexo Esportivo de Moscou (Foto: Anastasia Tsayder)

 

Interior do espaço para natação do Complexo Esportivo de Moscou (Foto: Anastasia Tsayder)

 

Pira olímpica e o mascote dos Jogos Olímpicos de Moscou, o urso Misha (Foto: Anastasia Tsayder)

Fonte: Wired

 

Sair da versão mobile