Top

Conheça e entenda o que era o Cenotáfio de Newton

Antes de falar sobre o Cenotáfio de Newton é preciso entender o que é um cenotáfio.  Pois, cenotáfio é um tipo de arquitetura funerária. Podem-se encontrar modelos como este em todos os tipos de culturas, países e períodos da história. Um exemplo mais famoso são as pirâmides do Egito. Elas foram construídas para honrar a memória da vida de faraós, principalmente depois de seu falecimento. Isto quer dizer que, esses prédios não precisam conter, necessariamente, restos mortais. São mais como monumentos simbólicos.

O “templo da morte” projetado por Étienne Louis Boullée, em 1784, é um tipo de cenotáfio. Este célebre e utópico projeto foi dedicado ao físico Isaac Newton, cujo trabalho o arquiteto – além de muitos outros intelectuais da época – era fascinado. Seus esboços e desenhos estão, hoje, guardados na Biblioteca Nacional da França. Trata-se de uma representação da tal arte chamada de “revolucionária” ou “visionária”, que influenciou até mesmo profissionais modernos, como Aldo Rossi.


Veja Também:

CONFIRA ESSES EXEMPLOS DE ARQUITETURA E DESIGN INSPIRADOS NO ESPAÇO!

DESIGNERS DE TAIWAN CRIAM ABAJUR EM FORMA DE LUA CHEIA


Cenotáfio de Newton
Simulação de como seria o Cenotáfio de Newton projetado por Étienne Louis Boullée. (imagem extraída de CG Architect)

“Espírito sublime! Vasto e profundo gênio! Ser divino! Aceite a homenagem de meus frágeis talentos… Oh, Newton!”

“O Newton! Com o alcance de sua inteligência e a natureza sublime do seu Gênio, você definiu a forma da Terra; Eu concebi a ideia de envolver você com sua descoberta. É como envolver você em seu próprio eu.”

– Étienne Louis Boullée, sobre o Cenotáfio de Newton.

+ A histporia do arquiteto Étienne Louis Boullée

Étienne Louis Boullée era filho de arquiteto. Quando jovem, passou a frequentar a Royal Academy de Paris, onde aprendeu, principalmente, a arte clássica francesa dos séculos XVII e XVIII. Já graduado, projetou várias residências particulares, entre as quais estão o Hotel Alexandre e o Hotel de Brunoy. Também atuou como professor e teórico na École Nationale des Ponts ei Chaussées. E, depois de apresentar soluções neoclássicas e rejeitar certas noções Vitruvianas, se tornou uma personagem famosa de seu país e de seu tempo.

“Para executar, primeiro é necessário conceber… É esse produto da mente, esse processo de criação, que constitui a arquitetura…” – Étienne Louis Boullée.

Cenotáfio de Newton
Étienne Louis Boullée (imagem extraída de Modem World)

Boullée foi descrito no meio acadêmico como excêntrico e megalomaníaco. Essa fama se deu devido à forma diferente com que ele expressava a sua arte. O arquiteto rejeitava frivolidades. Por isso, descartava ornamentações em favor de uma ordem estilo greco-romanas, desenvolvendo suntuosas formas geométricas e abstratas. Porém alguns de seus estudos, como sobre o uso da luz e da sombra, foram tão inovadores que revolucionaram as produções da época.

Veja, no vídeo a seguir, imagens de alguns projetos de Étienne Louis Boullée:

+ O cenotáfio para Isaac Newton

O cenotáfio criado por Étienne Louis Boullée – nunca executado – era para ser um mausoléu em honra a Sir Isaac Newton, o importante matemático e físico inglês, símbolo dos ideias iluministas, que estudou os Princípios da Filosofia Natural e as Leis da Gravidade.  Se fosse construído, seria mais alto que a Grande Pirâmide de Gizé, uma das maiores maravilhas arquitetônicas do mundo. Também seria o ponto mais alto da carreira do arquiteto, que lutava para separar a imagem da sua profissão como uma arte pura da ciência da edificação. Tudo isto está comprovado na série de desenhos em tinta e aquarela, datados do século XVII, incluídos no seu tratado ‘Architecture, essai sur l’art’.

“Peça surpreendente” que é “perfeitamente sintomático da época, tanto quanto é do homem.” – Thomas Wells Schaller, sobre o Cenotáfio de Newton de Étienne, em The Art of Architectural Drawing: Imagination and Technique.

Cenotáfio de Newton
Elevação do Cenotáfio de Newton. (imagem extraída de ArchDaily)

+ Para que serviria o Cenotáfio de Newton?

Embora Boullée tenha projetado e construído para clientes privados e religiosos, foi no meio acadêmico que ele obteve mais êxito. Sua ideia era levar, através de seus manifestos sobre novos conceitos de formas espaciais, inspiração às novas gerações. O cenotáfio ilustra bem suas ideias acerca do futuro da arquitetura, a partir do século XVIII – volumes simples e sem ornamentações supérfluas. Seu propósito com esse edifício era materializar uma metáfora da ‘natureza divina do Ser Supremo’; e provocar o observador reproduzindo a imensidão do universo a sua volta.

Cenotáfio de Newton
Planta Baixa esquemática do Cenotáfio de Newton. (imagem extraída de ArchDaily)

+ As características arquitetônicas do Cenotáfio de Newton

Boullée enxergava o Cenotáfio de Newton como um mundo fechado que reproduziria a grande “abóboda celeste”, com todos os seus planetas e constelações. O projeto previa uma esfera com 150 metros de diâmetro, posicionada sobre uma base cilíndrica de três camadas e ornada com ciprestes – uma associação ao luto nas culturas clássicas. Rampas curvas e uma grande escadaria levariam o homem ao topo mais alto do pedestal. E uma pequena porta, no segundo andar, seria a única ligação entre o meio externo e o meio interno.

Para Boullée, essa esfera representava a “perfeição” e a “majestade” desse complexo sistema que é a vida. Partindo para o centro, passando por um longo túnel escuro, chegar-se-ia no “centro de gravidade”, o sarcófago de Newton – a única indicação da escala humana no projeto. O interior oco, de paredes nuas e sombrias, seria perfurado de modo à entrada de luz natural durante o dia, assumindo um aspecto de planetário. À noite, a luz emitida por uma enorme luminária, suspensa no ponto central da esfera, é que faria tal simulação.

Cenotáfio de Newton
(imagem extraída de ArchDaily)
Cenotáfio de Newton
(imagem extraída de ArchDaily)

“… o todo seria decorado com tudo o que é mais belo na natureza; os prédios seriam meros acessórios, a base do repositório formado por um soberbo templo de lados abertos que coroava o topo da montanha. Os recintos do templo consistiriam de campos de flores exalando seu cheiro doce como incenso oferecido ao Ser Divino … Este belo lugar seria a imagem de tudo o que garante nosso bem-estar; encheria nossos corações com um sentimento de alegria e seria para nós um verdadeiro Paraíso terrestre .” –  Étienne Louis Boullée.

Imagem de CapaEcht Virtuell| FontesArchDailyLa Brujula VerdeArte Laguia 2000GraphicineWikipedia.


Leia Também:

Emirados Árabes pretendem construir uma cidade… em Marte!

Da engenharia para o Oscar: quem foram as mulheres que inspiraram o filme ”Estrelas além do tempo”

BDE Explica: o que são matéria escura e energia escura?