Top

10 regras para auxiliar alunos, professores e profissionais de arquitetura

Quando iniciamos um curso temos muitas dúvidas sobre qual caminho seguir, mas mesmo depois de formado essas dúvidas estão presentes. Por isso, é importante ter um olhar critico não somente da formação, mas também dos formadores, tanto na aprendizagem, quanto na prática.

A educadora (e freira) Corita Kent, entre 1967 e 1968, escreveu “Dez Regras para Estudantes, Professores e a vida” e juntamente ao artista John Cage, apresentaram ao mundo um modelo para alimentar o espírito criativo e os processos de experimentação de arquitetos, designers e artistas.

Se você é um estudante, professor ou profissional de arquitetura e tem dúvidas relacionadas a profissão, a seguir apresentamos 10 regras que aproxima os processos do fazer arquitetônico.

+Primeira regra

Encontre um lugar que você confie. Não tenha medo de pensar diferente ou de forma crítica em relação a tudo. Se seu processo de desenho foge aos padrões e você acredita nele, vá em frente. Mesmo sendo ideias que não encaixam em padrões e são aparentemente estranhas, se você tem convicção que são adequadas em algum momento, não desista.

+Segunda regra

Extraia tudo o que puder das pessoas a sua volta (no bom sentido, claro). É necessário compreender e entender todos os ambientes a sua volta e como se dão as relações sociais em cada um desses que você vive durante a vida acadêmica. Assim, como Bjarne Ingels relacionou-se com Koolhaas, entendendo a importância de criar ambientes para educação e socialização.

Crédito: Archdaily

+Terceira regra

Para professores: extraia tudo de seus alunos. Não é só o professor que tem a ensinar e passar conhecimento, o aluno também. Por isso, um professor deve ser atento ao aluno e é importante haver uma participação e troca de conhecimentos entre alunos e professores.

+Quarta regra

Enxergue tudo como um experimento. É normal sentir medo de um desafio ou achar que não vai conseguir realizar aquele projeto. Não tenha medo, não perca a oportunidade que lhe foi apresentada. Qualquer projeto, para ser bem executado, passa por uma investigação projetual, então primeiro pesquise muito e você terá grandes chances de desenvolver um projeto sólido.

+Quinta regra 

Seja autodisciplinado, procure seguir alguém inteligente. Sempre procure boas referências para estudar e se inspirar. Ninguém começa do nada, então as boas referências são o primeiro passo para você começar a encontrar seu próprio caminho. Amancio Williams soube aproveitar os conhecimentos de Le Corbusier e dar um passo a mais para o desenvolvimento de uma arquitetura significativa, por exemplo.

Crédito: Panoramio

+Sexta regra

Nada é um erro. No desenvolvimento de um projeto, o que é certo ou errado pode ser subjetivo. Às vezes, em um primeiro momento o que parece errado, ao ser mais bem desenvolvido pode se tornar algo bom. O segredo é não desistir em um primeiro momento. É preciso trabalhar muito para ver se aquela ideia pode ser levada a diante.

+Sétima regra

Trabalhe muito. Como dito anteriormente, o trabalho é o segredo para desenvolver uma boa ideia. Qualquer proposta nova implica muito trabalho e inspiração. Até mesmo a inspiração muitas vezes vem do trabalho.

+Oitava regra

Não crie e analise juntamente. Para desenvolver uma arquitetura sólida é necessário primeiro analisar, para depois criar. O caminho inverso não é o mais adequado.

Credito: Archdaily

+Nona regra

Seja feliz sempre que puder. É muito comum durante o processo de projeto acontecer altos e baixos, por isso, é necessário identificar quais são esses momentos e potencializar sempre o que há de melhor.

+Décima regra

Quebre as regras. As regras estão em constante mudança, elas são desenvolvidas a partir da prática. Então, estamos sempre em desenvolvimento, quebrando e criando novas regras, principalmente se essas regras são propostas pro nós mesmo.


Fonte: Archdaily


Leia também: 

Como ser um arquiteto empreendedor de sucesso? 

Arquitetura: como se adequar ao mercado atual