publicidade

publicidade

Arquitetura Baubotanik: o movimento que incorpora o crescimento natural das plantas e árvores nos projetos


Um dos maiores desafios da arquitetura contemporânea é apresentar à sociedade civil boas soluções de projeto. De preferência, que eles possam integrar materiais vivos, criando um novo tipo de abordagem projetual e design móvel. É interessante poder explorar, por exemplo, todas as oportunidades estéticas envolvendo a capacidade das plantas – mesmo que em certos momentos de forma incontrolável – de incorporar materiais, suportar cargas, se transformar, envelhecer e renovar.

O conceito da Baubotanik encoraja os projetistas a construírem em parceria com a natureza, planejando um futuro mais sustentável.

(imagem extraída de Baubotanik)

+ O que seria Baubotanik?

Baubotanik, ou “construção de plantas vivas”, é uma espécie de abordagem de arquitetura, criada pelo arquiteto Ferdinand Ludwig – que lidera um grupo especializado em estruturas orgânicas na Universidade de Stuttgart, Alemanha. Influenciado pelo conhecimento das tribos indígenas ao redor de todo o mundo, ele desenvolveu um modo de edificar que é parte escultura e parte engenharia, parte árvore e parte elemento em aço. São como híbridos, de natureza viva e tecnologia.

+ Empregando madeira viva

A madeira é um dos bens mais valiosos da Terra, já que ela é um elemento que provém de uma espécie natural. Diferente disso, na Arquitetura Baubotanik as construções são erguidas com plantas vivas em fusão com outros materiais modernos. Nesse sistema, elimina-se qualquer necessidade de cortá-las ou matá-las. Pelo contrário, de forma muito criativa e inspiradora, esse novo estilo mostra como se obter mais madeira ainda, só que de um jeito totalmente diferente, verdadeiramente sustentável.

(imagem extraída de Wewantto Learn)
(imagem extraída de Bio Tope City)

+ Processo construtivo

Erguer uma estrutura pelo sistema Baubotanik, ou seja, com base em regras botânicas de crescimento, é uma tarefa bastante demorada. Primeiro, é preciso lembrar de que as árvores são seres vivos, que evoluem lentamente. Agricultores, horticultores e jardineiros já possuem esse conhecimento, pois esses profissionais já constroem, há mais de séculos, estruturas exatamente como essas, só que próprias para sombras e sebes. Engana-se quem pensa que é fácil fazer com que o vegetal cresça e se ligue, adequadamente, aos demais materiais de construções feitos pelo homem, como andaimes de metal, por exemplo.

Todo o projeto precisa ser cuidadosamente elaborado. Conforme as espécies forem envelhecendo, suas articulações ficarão mais fundidas e fortalecidas, suportando, consequentemente, mais cargas. Para moldá-las, é preciso realizar, a cada nova etapa, um processo de poda, flexão, fixação e ou enxerto. Todos os galhos e caules estarão unidos no momento em que os tecidos e seivas dos vegetais se tornarem um só. As árvores serão, portanto, moldadas assim, até o ponto que a estrutura esteja completa e o andaime de aço possa se removido.

(imagem extraída de Inhabitat)

+ Vantagens e Desvantagens

Essa abordagem, de Arquitetura Baubotanik, permite que as árvores continuem o seu crescimento normalmente em torno dos elementos edificados. Elas permaneceriam respirando e produzindo, ao mesmo tempo, oxigênio, alimento, abrigo, proteção solar, bloqueio do gás carbônico, entre outros tantos benefícios para o ecossistema. Em relação à natureza, uma estrutura assim auxiliaria, por exemplo, no escoamento das águas pluviais, no combate à erosão do solo, na melhora da qualidade do ar e na regulagem do ciclo natural da água, através de suas folhas e raízes. Já para a engenharia civil, seria um bom acréscimo aos sistemas de refrigeração interna dos ambientes e aos elementos portadores de cargas.

(imagem extraída de Ferdinand Ludwig)
(imagem extraída de Bio Tope City)

Apesar de ser um tipo de arquitetura de visão muito moderna que tem revolucionado, certamente, conceitos de urbanismo e de espaços verdes nas grandes cidades, a Baubotanik não deve substituir as práticas convencionais de construção. Para que o crescimento das árvores se adeque bem e não prejudique a proposta, são necessárias manutenções constantes. Intempéries, como chuvas e geadas; além das infecções por fungos e outros problemas com a qualidade da água no local, podem gerar sérios problemas em seu crescimento. Por isso, em algum momento, será preciso o replantio das espécies ou a adaptação da própria técnica.

Nem todas as espécies de árvores são adequadas para se integrar em um projeto de Arquitetura Baubotanik. Seu próprio idealizador, Ludwig, listou algumas espécies, mais flexíveis, vigorosas e de rápido crescimento. São exemplos: o plátano, o álamo, o bétula, o carmin e o salgueiro.

(imagem extraída de Baubotanik em Twitter)
(imagem extraída de Inhabitat)

Acompanhe, passo a passo, a construção de um dos projetos desenvolvidos através do sistema de Arquitetura Baubotanik:

+ Projetos desenvolvidos por Ferdinand Ludwig

O arquiteto Ludwig desenvolveu, junto de seus colaboradores, três importantes obras empregando o sistema Boubotanik – uma passarela, uma torre e um prédio. Todas elas exploram potenciais estéticos, ecológicos, construtivos e processuais de arquiteta e engenharia civil. A ‘Passarela de Salgueiros’ foi construída na cidade de Wald, na Alemanha, com tubos de aço inoxidável, inseridos entre mudas de árvores. Esses vegetais irão crescer até o ponto de absorver toda a carga e direcioná-la ao solo, dispensando totalmente os demais materiais de apoio vertical.

A torre, também construída em Wald, seguiu a mesma finalidade da passarela, de testar e avaliar quanto tempo os elementos vegetais necessitam para completar uma estrutura. As mudas de salgueiro foram acomodadas em diferentes níveis de um andaime metálico. Agora, elas veem sendo cruzadas, perfuradas e fixadas, de modo a compor a forma contorcida planejada, para que essa arquitetura viva possa extrair água e nutrientes do solo e se sustentar sozinha.

(imagem extraída de Nicolás Boullosa em Flickr)
(imagem extraída de Designboom)

Já o ‘Platanen-kubus’ ou ‘Cubo de árvores’ foi construído em Nagold, também na Alemanha. Ele foi projetado especialmente para um festival de horticultura do estado, em 2012, mas deve ser concluído somente por volta de 2028. Foi moldado com tubos em aço. Somando seus vários andares, contêm cerca de cem plátanos. Depois que eles crescerem e alcançarem um estado mais estável, os elementos metálicos poderão ser removidos. Atualmente, mesmo com poucos anos de vida, a estrutura já apresenta uma estética impressionante e enriquecedora para a região, oferecendo uma sensação de floresta.

(imagem extraída de Arquitectura y Empresa)

Assistindo ao vídeo, logo abaixo, você terá a chance de entender melhor o que é e como funciona a Boubotanik:

FontesInhabitatDesignboomFerdinand LudwigBaubotanik.


Leia Também:

Esses dois projetos futuristas tem estruturas inspiradas na natureza… e o resultado é incrível!

Esses projetos mostram que é possível levar a natureza para os centros urbanos

Podar árvore para quê? Projetos de arquitetos preservam a natureza local


publicidade

publicidade